Cronista-mor (Lisboa, 1540-Lisboa, 1614). Oriundo de uma das mais importantes famílias do século XVI, era filho de um tesoureiro-mor de D. João III. Estudou na Universidade de Coimbra, foi guarda-mor da Torre do Tombo e, enquanto historiador, cronista-mor do reino e poeta, deixou uma obra assinalável. Escreveu o Primeiro Cerco de Diu (1589), a Crónica de D. João III (1613), na qual as façanhas de Marrocos e do Oriente são o principal centro de interesse e Comentários da Vida de Chaul.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)