Nesta darei conta a V. R. da peregrinação que fizémos às terras do Tibet, deixando muitas particularidades, assi por escusar ser comprido, como porque nem para escrever esta tenho tempo. Aos trinta de Março de 1624 partimos de Agra, o Padre Manoel Marques e eu, pera acompanhar a el-Rei, o qual eu tinha deixado quando passou por Agra, por razão de uma grande doença em que caí; chegamos à cidade do Deli, da qual actualmente partiam muitos Gentios a um famoso pagode, em romaria, que dista de Agra mês e meio de caminho; e como tínhamos muitas informações tiradas por várias vias com grande diligência, com as quais nos certificámos, serem aqueles Reinos de Cristãos, […]. 

(via “História e Antologia da Literatura Portuguesa – Século XVI – Literatura de Viagens – II” – Fundação Calouste Gulbenkian, Boletim nº 23, Dezembro de 2002 – a partir de “Viagens na Ásia Central em Demanda do Cataio: Bento de Goes e António de Andrade”, Introd. e notas de Neves Águas, Lisboa, Publ. Europa-América, 1988)