Maio 2007


D. Manuel ID. Manuel I, o “Venturoso”, nasceu em Alcochete a 31 de Maio de 1469, falecendo em Lisboa a 13 de Dezembro de 1521, tendo sido o 14º Rei de Portugal, de 1495 a 1521, o único a subir ao trono sem ser descendente ou irmão do antecessor, beneficiando da morte de um primo e de cinco irmãos.

Foi o nono filho de D. Fernando, Duque de Viseu (irmão do Rei D. Afonso V), sendo primo e, posteriormente, cunhado do Rei D. João II (o qual casara com D. Leonor, irmã de D. Manuel), tendo sido educado na Corte.

Não obstante começar por ser um filho segundo da aristocracia, em 1484 era já o principal senhor privado do reino, concentrando os títulos de Duque de Beja e de Viseu, de governador da Ordem de Cristo e de condestável do reino.

Com o falecimento de D. João II, sem filhos legítimos (não obstante tenha procurado legitimar um bastardo, infante D. Jorge de Lencastre, que viria a ser Duque de Coimbra) nem irmãos sobrevivos – extinguindo-se assim, automaticamente, toda a descendência de D. Afonso V -, D. Manuel (neto de D. Duarte; tendo todos os seus cinco irmãos mais velhos falecido já até 1484) viria a herdar o trono, também por influência da irmã, obstando às pretensões do referido D. Jorge de Lencastre.

Prosseguiria a política de expansão marítima, enquanto procurava, paralelamente, a unidade ibérica, mediante uma estratégia matrimonial; o que viria a concretizar-se, mas com a união das coroas no soberano espanhol, com Filipe I (não obstante D. Manuel ter deixado 6 filhos varões legítimos).

Em 1497 casou com D. Isabel de Aragão, filha dos Reis Católicos espanhóis (entretanto já viúva do filho de D. João II, D. Afonso, falecido aos 16 anos, na sequência de uma queda de cavalo), vindo a ser jurados herdeiros dos tronos de Castela e Aragão. Porém, D. Isabel viria a falecer aquando do parto de D. Miguel da Paz, o qual, no dia do seu nascimento, seria aclamado rei de Portugal e dos referidos reinos; o herdeiro viria contudo a falecer com menos de 2 anos de idade.

D. Manuel viria a casar novamente, em 1500, com D. Maria de Castela (igualmente filha dos Reis Católicos), união de que viriam a nascer os futuros reis D. João III e Cardeal D. Henrique. De novo viúvo desde 1517, casaria ainda, em 1519, com D. Leonor de Castela.

O seu reinado fica marcado pelo apogeu dos Descobrimentos, de que foi um dos principais impulsionadores (desenvolvendo o plano da Índia, engendrado por D. João II) – de que decorre o seu cognome (tornando-se senhor de um Império marítimo abarcando dois oceanos e quatro continentes, ostentando o título de “Rei de Portugal e dos Algarves, de aquém e de além-mar, senhor da navegação e da conquista da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia”) -, tendo mandado erigir obras monumentais como o Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém, retomando a construção do Mosteiro da Batalha, e intervindo ainda no Convento de Cristo, em Tomar, criando um estilo arquitectónico, designado “manuelino”.

Nesse período de 26 anos Vasco da Gama conseguiria finalmente descobrir o caminho marítimo para a Índia, tendo Pedro Álvares Cabral concretizado o “achamento” do Brasil, enquanto Afonso de Albuquerque dominava a Índia, assegurando para Portugal o monopólio do comércio das especiarias orientais.

A base económica de Portugal passara a repousar no ouro da Mina – a política imperial continuou a assentar, sobretudo, no controlo do Oceano Atlântico e na ocupação das suas ilhas – e na pimenta da Índia, alvo de monopólio régio.

Todavia, as riquezas de que beneficiou não seriam devidamente aplicadas, tendo sido utilizadas em fausto e luxo (próprio de um príncipe do Renascimento), preparação de novas frotas e investidas bélicas; logo a partir de 1512, Portugal começaria a atravessar uma conjuntura de crise.

D. Manuel teria também de lidar com a questão dos judeus, refugiados em Portugal na sequência da expulsão de Espanha, decretada pelos Reis Católicos. Influenciado pelos sogros, viria a impor aos judeus a conversão ao catolicismo, para evitar também a expulsão de Portugal, tornando-se muitos “cristãos-novos”. Em 1506, com o crescendo do sentimento anti-judaico, dar-se-ia o pogrom de Lisboa, com o massacre de cerca de 4 000 judeus.

Noutro domínio, a par de uma política centralizadora, lançou um amplo programa de reformas administrativas, publicando as “Ordenações Manuelinas”, revendo as leis fiscais, reformando a justiça e ordenando o aparelho público.

Quando parecia que D. Manuel poderia vir a liderar a Cristandade contra os muçulmanos, Lisboa seria atingida pela peste; vítima do flagelo, em 1521, encerrava-se o reinado do “Venturoso”, que viria a repousar no Mosteiro dos Jerónimos.

(Imagem via Wikipédia)

Bibliografia consultada

“História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004

– “D. Manuel I”, por João Paulo Oliveira e Costa, colecção Reis de Portugal, edição do Círculo de Leitores, em colaboração com o Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa da Universidade Católica Portuguesa, 2005

 

“Cadamosto descobre algumas das ilhas de Cabo Verde. Diogo Gomes continua a exploração dos rios da Guiné”.

(in suplemento da Revista Visão nº 371 – Abril de 2000)

Aos 31 do mes em sabbado não tomey o sol por estar doente. O vento foi leste, a proa ao sul e a quarta so sueste ora mais ora menos; esta menhã andou o vento sem ver sosego com alguns augaceiros de pouca agoa, e com elle se fez o vento hum pouco sueste e logo tornou a deixar ir ao sul, mandey tomar a vela da gavea por a não aribar com ella. Eu dey a nao o caminho 20 legoas ao susudueste, parte delle ao sul e quarta do sudueste, mas tanto por hum como pello outro dando a nao em todo este caminho duas quartas e meia de abatimento, huma d’agulha e o mais do seu abatimento, fico em 15 graos escasos leste e oeste com os Ilheos e Ençeada das Ostras pello ponto que trago 120 legoas da terra, e oje marquey o sol pela menhã e ontem a tarde ao por, achey que agulha me nordestea huma quarta larga, e a viagem passada de São Pantaleão nesta mesma altura achey a mesma deferença e asim, estando o mesmo da terra a que oje estou, querera Nosso Senhor que asim será. Agora o vento venta fresco, a noitte esteve boa, o mar mais chão que os dias atrás, o ventto anda ora a leste ora toma do sueste, sempre com a proa ao redor do sul. Levamos muitos doentes em cabo e com muitas necesidades, e não ha pera que escape de lhe não dar, eu ha fines dias ando da dieta com hua pouca de febre. Lembre se Nosso Senhor de nos e a Virgem do Rozairo Madre de Deos.

(via “Uma Viagem Redonda da Carreira da Índia (1597-1598)”, de Joaquim Rebelo Vaz Monteiro, Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, 1985)

Se chega novamente algum hóspede à casa dalgum seu amigo ou parente, se o dono da pousada não está vestido de festa, entrando o hóspede nenhuma menção nem conta faz dele até mandar trazer vestidos festivos e calçado. E depois de vestido e calçado vai-se ao hóspede e recebe-o com grandes gasalhados e cortesias, porque têm que não convém que novo hóspede e de obrigação se receba com vestidos e trajos comuns, senão que vestido de festa o agasalhem, porque nisto lhe mostra[m] que sua entrada em sua casa é dia de festa para ele[s].

Qualquer pessoa ou pessoas que chegam a qualquer casa de homem limpo, têm por costume oferecerem-lhe em uma bandeja galante uma porcelana, ou tantas quantas são as pessoas, com uma água morna a que chamam chá, que é tamalavez vermelha e mui medicinal, que eles costumam a beber, feita de um cozimento de ervas que amarga tamalavez. Com isto agasalham comummente todo género de pessoa[s] que têm algum respeito, quer conhecidos quer não, e a mim ma ofereceram muitas vezes.

São os chinas mui comedores e comem muitas iguarias. Comem a uma mesa peixe e carne, e a gente baixa às vezes guisa tudo junto. As iguarias que se hão-de comer a uma mesa todas juntas se põem à mesa, para que cada um coma do que mais lhe agradar. A gente limpa e nobre tem muita polícia em seu trato, conversação e trajo. Tem a gente comum algumas coisas grosseiras.

(via “História e Antologia da Literatura Portuguesa – Século XVI – Literatura de Viagens – II” – Fundação Calouste Gulbenkian, Boletim nº 23, Dezembro de 2002 – a partir de “Tratado das Coisas da China”, Introd., modernização do texto e notas de Rui Manuel Loureiro, Lisboa, Edições Cotovia, 1997)

Este navegador pertencia à casa do infante D. Henrique e participou nas primeiras viagens dos Descobrimentos.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

“Começa a ser construída a fortaleza de Arguim e é fundada, em Lagos, a Casa dos Tratos da Feitoria de Arguim. Ao serviço de D. Henrique, o italiano Cadamosto explora os rios da Guiné. O Papa Nicolau V confirma a posse pelos portugueses das terras descobertas ou a descobrir”.

(in suplemento da Revista Visão nº 371 – Abril de 2000)

Aos 30 do mes em sesta feira thomey o sol e fiquey em 14 graos menos 1/6. O vento foi leste e lessueste, a proa foy sempre ao redor do sul, as veses tocava a coarta do sueste e ventou bem, e o mar muito forte e groso que dezinquieta a nao muito. Eu dey a não o caminho pello susudueste, porque ainda cuido que a nao abate. Andou 19 legoas que he o que podia andar porque toda a noite e oje não levamos vella da gavea de proa, asy porque a nao como como a damos arriba muito, como porque com os chuveiros não há gente pera acudir a tudo por irmos todos doentes. Eu fico pello ponto que trago da Baya de Todos os Santos, que he a altura d’oje 125 legoas, mas pella conta d’agulha que trago, posto que en toda esta voltta oje não posso fazer nenhuma demarcação por sempre aver muitos çeos grosos ou pella banda de leste ou pela d’aloeste, 95 legoas, e por este ponto me demora o baixo do Abroso ao sudueste e pello meo a quarta d’aloeste. Vou muito enfadado em nos o vento não querer largar, pello que vamos muito apertados. Lembre se Nosso Senhor de nos e a Virgem do Rozairo Madre de Deos.

(via “Uma Viagem Redonda da Carreira da Índia (1597-1598)”, de Joaquim Rebelo Vaz Monteiro, Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, 1985)

Página seguinte »