Navegador quinhentista. Embora não haja certezas quanto às datas, sabe-se que durante o primeiro quartel do século XVI, ao serviço de D. Manuel, terá levado a cabo viagens exploratórias no Atlântico Norte, descobrindo várias ilhas e arquipélagos. A evidência das suas viagens tem sido alvo de críticas por parte de vários historiadores, embora tenha sido descoberta na Torre do Tombo, em Lisboa, uma carta régia de D. Manuel, datada de 13 de Março de 1521, concedendo ao navegador e aos seus descendentes a posse de algumas das ilhas por ele descobertas. Da mesma forma, num mapa de Lázaro Luís, datado de 1563, a costa da Nova Escócia é apelidada de Labrador e identificada como descoberta por João Álvares Fagundes. Existem ainda referências ao seu nome noutros mapas do século XVI, que fazem alusão a uma ilha de “Fagunda”. Face ao conjunto de informação fornecida por estes documentos parece ser pacífico afirmar que o explorador terá realmente navegado no Atlântico Norte, podendo contudo não ter sido o primeiro a encontrar as ilhas que pensou ter descoberto.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)