Cartógrafo (1520 ou 1521 – 1576). Nascido no seio de uma família de cartógrafos (Lopo Homem, pai, e André Homem, irmão), em consequência de um homicídio, foi condenado ao degredo. Não voltou a regressar a Portugal, tendo começado por residir em Inglaterra em depois, em Itália. As suas obras cartográficas, que se conservam, fê-las entre 1557 e 1576 e encontram-se no Museu Britânico, na Biblioteca Nacional de Paris e na Biblioteca Vittorio Emanuele, em Roma. O seu atlas de 1558 fornece várias noções cosmográficas e um outro, que se encontra em Paris, apresenta o Japão de uma forma bastante mais realística do que até então tinha sido representado.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)