Infante de Portugal (Abrantes, 3 de Março de 1506 – Lisboa, 1555), foi pai de D. António, prior do Crato. Filho de D. Manuel e de D. Maria, terá sido o mais dotado dos descendentes do Venturoso. Foi duque de Beja, condestável do Reino (com apenas 15 anos) e grão-prior do Crato. Participou na expedição naval contra Haredin Barba Roxa (1535). Desempenhou várias missões diplomáticas. Apesar de se julgar que alguns dos registos da sua vida foram destruídos para evitar as pretensões de D. António ao trono português, sabe-se que teve um papel decisivo na vida quinhentista. Chegou a ser pensado o seu casamento com princesas estrangeiras, caso de Maria Stuart. Protegeu os cristãos-novos das perseguições da Inquisição. Nos últimos tempos de vida, passou a considerar-se um grande pecador, pelo que renunciou a bens terrenos e chegou a colocar a hipótese, para se redimir dos pecados, de passar a pertencer a uma ordem, tendo equacionado a Companhia de Jesus. Foi sepultado no Mosteiro de Belém.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)