Explorador da costa oriental africana (século XVI). Com vista a comerciar com os indígenas e enriquecer alcançou, em 1544, a baía da actual cidade de Maputo, onde já tinham estado navegadores portugueses há mais de 40 anos, e aí fixou residência, tendo-se dedicado ao resgate de marfim. Dois anos mais tarde, D. João III mandou reconhecer a região e levantar uma feitoria fortificada, para a comercialização do marfim e do cobre, produtos muito importantes para a Índia. À cidade ali construída atribuiu-se o nome de Lourenço Marques, que se manteve até 1975.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)