Vice-rei da Índia (1484 – Goa, 6 de Junho de 1555). Tio de D. João de Mascarenhas, combateu a pirataria moura nas armadas do estreito do Norte de África e foi em socorro de Arzila e Azamor. D. João III fê-lo estribreiro-mor e confiou-lhe importantes embaixadas diplomáticas enviadas a Carlos V, Francisco I de França e à Santa Sé. Deve-se-lhe a vinda para Portugal dos primeiros jesuítas, Simão Rodrigues e Francisco Xavier (1540). De referir que conviveu com Inácio de Loiola, que foi seu confessor. Em 1554, já com idade avançada, tornou-se vice-rei da Índia, cargo onde se evidenciou pela justiça e honestidade que tanto o caracterizavam.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)