Entretanto, haviam sido descobertos – em expedições direccionadas a ocidente, de motivações nunca esclarecidas, mas igualmente impulsionadas pelo Infante D. Henrique – os arquipélagos da Madeira (cerca de 1419 – por João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, primeiro a ilha de Porto Santo, logo seguida da da Madeira) e dos Açores (1427 – por Diogo de Silves, 1431 – Gonçalo Velho e 1432), então desabitados, que viriam a ser povoados (a partir de cerca de 1425, no caso do arquipélago da Madeira), no âmbito do que constituiria a primeira experiência de colonização ultramarina, com os colonos a assumirem papel pioneiro num novo mundo.

Conjuntamente com as ilhas de Cabo Verde (descobertas em 1456, 1457 e 1460), converter-se-iam em decisivas plataformas estratégicas para a exploração do Oceano, proporcionando as necessárias escalas.

Bibliografia consultada

– “A Viagem do Descobrimento – A Expedição de Cabral e o Achamento do Brasil”, de Eduardo Bueno, Editora Pergaminho, 2000
– “Descobrimentos – História e Cultura”, edição da Comissão Nacional Para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1987
– “História de Portugal”, de A. H. de Oliveira Marques, Palas Editores, 1980
– “História de Portugal”, de Jean-François de Labourdette, Publicações D. Quixote, 2003
– “O Império Colonial Português (1415-1825)”, de C. R. Boxer, Edições 70, 1981
– “Portugal – O Pioneiro da Globalização”, de Jorge Nascimento Rodrigues e Tessaleno Devezas, Edição Centro-Atlântico, Maio de 2007