A continuação da expansão para sul foi confiada a Diogo Cão que, partindo em Agosto de 1482, chegaria (já em 1483) à foz do rio Zaire (Congo), aí erguendo o primeiro “padrão”, na actualmente designada “Ponta do Padrão” (6º sul de latitude).

Prosseguiria ainda para sul, chegando até ao Cabo Lobo, a 13º 6’ de latitude sul (já na costa sul de Angola), concluindo erroneamente ter chegado à extremidade do continente africano, erro que D. João II não perdoaria.

Entretanto, em 1484, a requerimento de Cristóvão Colombo, D. João II conceder-lhe-ia uma audiência, na qual o navegador solicitaria financiamento para concretizar a sua ideia de expedição à Índia navegando para ocidente (rota sugerida por Toscanelli).

Porém, com base no parecer da Junta de Cosmógrafos, o projecto de Colombo seria reprovado.

Bibliografia consultada

– “A Viagem do Descobrimento – A Expedição de Cabral e o Achamento do Brasil”, de Eduardo Bueno, Editora Pergaminho, 2000
– “Descobrimentos – História e Cultura”, edição da Comissão Nacional Para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1987
– “História de Portugal”, de A. H. de Oliveira Marques, Palas Editores, 1980
– “História de Portugal”, de Jean-François de Labourdette, Publicações D. Quixote, 2003
– “O Império Colonial Português (1415-1825)”, de C. R. Boxer, Edições 70, 1981
– “Portugal – O Pioneiro da Globalização”, de Jorge Nascimento Rodrigues e Tessaleno Devezas, Edição Centro-Atlântico, Maio de 2007

Advertisements