Já em 1488, rumaria então a Norte, navegando cerca de 800 km… sem o saber, acabara de contornar a extremidade do continente africano!

Bartolomeu Dias conseguira finalmente dobrar o Cabo das Tormentas, logo rebaptizado de Cabo da Boa Esperança, na mais notável navegação até então realizada, quatro anos antes de Colombo chegar às Antilhas.

Viria a desembarcar na actual Mossel Bay, a cerca de 370 km da Cidade do Cabo, a 3 de Fevereiro de 1488.

Depois de navegar ainda mais 500 km para nordeste, penetrando no Oceano Índico – cerca do actual Great Fish River – a tripulação amotinar-se-ia, obrigando-o a inverter o rumo e regressar a Portugal, onde chegaria em Dezembro de 1488.

Aqui se cruzaria então com Cristóvão Colombo (que D. João II havia chamado ao reino, desconhecendo-se se – receando o fracasso da expedição de Bartolomeu Dias – encarava a possibilidade de apostar no plano de Colombo…).

Na sequência da chegada da frota portuguesa, D. João II viria a dispensar novamente Colombo.

Bibliografia consultada

– “A Viagem do Descobrimento – A Expedição de Cabral e o Achamento do Brasil”, de Eduardo Bueno, Editora Pergaminho, 2000
– “Descobrimentos – História e Cultura”, edição da Comissão Nacional Para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1987
– “História de Portugal”, de A. H. de Oliveira Marques, Palas Editores, 1980
– “História de Portugal”, de Jean-François de Labourdette, Publicações D. Quixote, 2003
– “O Império Colonial Português (1415-1825)”, de C. R. Boxer, Edições 70, 1981
– “Portugal – O Pioneiro da Globalização”, de Jorge Nascimento Rodrigues e Tessaleno Devezas, Edição Centro-Atlântico, Maio de 2007

Advertisements