D. João II conseguiria forçar as negociações do Tratado de Tordesilhas, concluídas a 7 de Junho de 1494 – o qual vigoraria oficialmente até 1777! (não obstante ter deixado de ser efectivo com a ascensão holandesa e inglesa no século XVII) –, afastando a referida linha divisória para 370 léguas a ocidente de Cabo Verde (sem contudo definir qual a ilha a partir da qual deveria ser considerada a contagem da distância…), conseguindo, com esse alargamento da zona de domínio português, garantir a soberania do Brasil, cujo achamento oficial se concretizaria 6 anos depois… no desvio da segunda expedição à Índia, comandada por Pedro Álvares Cabral.

Isto, para além, de assegurar também o “espaço de manobra” necessário para a realização da “volta do mar”, que se viria a revelar crucial para dobrar o Cabo da Boa Esperança.

D. João II viria a falecer no ano seguinte, em 1495, com 40 anos, sem descendência legítima.

Bibliografia consultada

– “A Viagem do Descobrimento – A Expedição de Cabral e o Achamento do Brasil”, de Eduardo Bueno, Editora Pergaminho, 2000
– “Descobrimentos – História e Cultura”, edição da Comissão Nacional Para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1987
– “História de Portugal”, de A. H. de Oliveira Marques, Palas Editores, 1980
– “História de Portugal”, de Jean-François de Labourdette, Publicações D. Quixote, 2003
– “O Império Colonial Português (1415-1825)”, de C. R. Boxer, Edições 70, 1981
– “Portugal – O Pioneiro da Globalização”, de Jorge Nascimento Rodrigues e Tessaleno Devezas, Edição Centro-Atlântico, Maio de 2007