E esta noite seguinte fizemos o caminho ao norte quarta do noroeste e, no quarto de alva, fizemo-lo ao nor-nordeste. E indo assim com vento tendente, duas horas ante manhã, deu o navio São Rafael em seco em uns baixos, que estão da terra firme duas léguas; e quando deu em seco, bradou aos outros que vinham detrás, os quais, tanto que ouviram os brados, pousaram dele a um tiro de bombarda e lançaram os batéis fora.

(via “História e Antologia da Literatura Portuguesa – Século XVI – Literatura de Viagens – II” – Fundação Calouste Gulbenkian, Boletim nº 23, Dezembro de 2002 – a partir de “Relação da Primeira Viagem de Vasco da Gama (1497-1499)”, introd. e notas de Luís de Albuquerque, Lisboa, CNCDP/ME, 1989)