EUAEUA

“O pavilhão, com 1300 m2, exalta o contributo norte-americano para o estudo e preservação dos oceanos. B. B. King, o rei dos blues será o embaixador musical dos EUA.

Os visitantes são acolhidos por imagens do comissário-geral Tony Coelho e da mascote do pavilhão, o leão marinho Sake.

(imagem via http://www.alcorn.com/cases/expo1998/)

(ver também outra imagem aqui)

O espaço interior divide-se em quatro áreas: Galeria da Descoberta, Sala Institucional, Teatro dos Oceanos e Ambiente Oceânico.

Na Galeria da Descoberta, dos satélites aos submarinos, dos laboratórios à Internet, estão em destaque as mais recentes tecnologias.

No âmbito da Whalenet, rede de observação de baleias via satélite, com ligação à Internet, poderão ser acompanhados exercícios de colocação de marcadores em animais ao largo dos Açores.

Na Área Institucional são passados vídeos dos principais institutos oceanográficos e expostos equipamentos da Marinha americana. Há, ainda, uma exposição da «National Geographic».

O Teatro dos Oceanos é um auditório de 120 lugares equipado com um ecrã gigante onde passará um filme de oito minutos com imagens inéditas da vida a grande profundidade recolhidas pelo submersível «Alvin».

Na sala do Ambiente Oceânico simulam-se actividades subaquáticas, podendo o visitante participar em diversas experiências interactivas.

Poderá, ainda, saber as últimas acerca do fenómeno meteorológico «El Niño» e ver imagens inéditas dos restos do Titanic.”

In Guia da EXPO – Expresso, pp. 32, 33

Anúncios