Governador da Índia (séculos XV e XVI). Fidalgo da Casa de D. Manuel e oficial da Armada, em 1509 foi enviado para Malaca, para ali estabelecer relações comerciais e políticas. Porém, as negociações não correram da melhor forma com o rei local e o comandante português viu-se obrigado a voltar ao continente, deixando cativos cerca de três dezenas de homens – que seriam libertados por Afonso de Albuquerque. Chegado ao reino em 1510, serviu na armada do Norte de África, entre 1511 e 1518, sendo então nomeado quarto governador da Índia. Chegou ao Oriente em Março desse ano, levando por tarefa entrar no Mar Vermelho e seguir para o porto de Maçuá, a fim de fazer embarcar diversas personalidades que deveria levar junto do rei etíope. Cumpriu a missão eficazmente, levando ao seu destino a embaixada em que participou o padre Francisco Álvares, autor de um interessante relato sobre as terras abissínias. Lopes de Sequeira manteve-se no cargo até 1521, regressando ao reino no ano seguinte. Em 1524, testemunhou no processo das ilhas Molucas, que opôs D. João III ao imperador Carlos V.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Anúncios