Descobridor (século XIV-XV). Cavaleiro da casa do infante D. Henrique, desde cedo se interessou pelas actividades marítimas e, quando o infante começou a promover as explorações marítimas logo se ofereceu para participar nessa aventura. Em 1418, com Tristão Vaz Teixeira, descobriu a ilha de Porto Santo. Em 1419, com aquele e também com Bartolomeu Perestrelo, desembarcou na ilha da Madeira, mais precisamente no ponto a que chamaram de S. Lourenço. Zarco instalou-se na Madeira em 1425, vindo a ter uma acção fundamental no povoamento da parte ocidental da ilha, a qual, em 1450, fora repartida em duas capitanias. Acompanhou o infante D. Henrique na expedição de Tânger, onde foi armado cavaleiro. Na Madeira mandou construir alguns navios com os quais auxiliou o D. Henrique nas suas expedições para além do cabo Bojador. Em 1460, D. Afonso V autorizou-o a acrescentar ao apelido Zarco o de Câmara. Quando faleceu, a capitania da ilha foi assumida pelo seu filho, João Gonçalves da Câmara. O ramo principal da sua casa é hoje representado pelos descendentes dos condes e marqueses da Ribeira Grande.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

 

Anúncios