Palestra por José Azevedo e Silva, professor na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, hoje, pelas 14h30.

Em 1494 era assinado entre Portugal e Castela o Tratado de Tordesilhas, que definia a partilha do Novo Mundo entre as duas Coroas pela marcação de um meridiano. No entanto, a impossibilidade técnica da medição rigorosa da longitude criou obstáculos insanáveis na demarcação do Tratado e na sua aplicação. Perante a dificuldade de determinar com precisão a linha demarcatória dos dois hemisférios, tanto portugueses como espanhóis procuraram tirar proveito dessa indefinição. Os cartógrafos régios de um e outro país sacrificaram o rigor científico às exigências da política, usando artifícios para “puxar” para o “seu” hemisfério determinados teritórios.

Nesta comunicação serão apresentadas e discutidas tais distorções cartográficas, pelo recurso à projecção de exemplares cartográficos elucidativos. Esta palestra faz parte do programa de actividades que o Museu da Ciência tem vindo a desenvolver em colaboração com a Ordem dos Engenheiros.

(via De Rerum Natura)

Anúncios