Foi primeiro visconde Afonso Furtado de Castro do Rio e Mendonça, nascido em data desconhecida e falecido em 1675. Militar de carreira, chegou a general de Artilharia  e Cavalaria do Alentejo, governador das Armas da Beira, e conselheiro da Guerra. Em 1671 foi nomeado governador e capitão-general do Brasil, onde se dedicou à exploração do interior, com especial incidência no sertão de Piauí. O título foi-lhe concedido por carta de 19 de Dezembro de 1661. Foi sexto visconde e primeiro conde Luís António Furtado de Castro de Rio de Mendonça e Faro (1754-1830), o primeiro doutor a quem a Universidade de Coimbra conferiu o grau depois da reforma. Foi depois para Lisboa, onde fez parte do grupo fundador da Academia Real das Ciências , de que redigiu os estatutos  e foi secretário até à sua nomeação para o cargo de governador e capitão-general de Minas Gerais, no Brasil. Durante o seu governo ocorreu a conspiração que ficou conhecida por Inconfidência Mineira. Por decreto de 23 de Setembro de 1816, D. João VI elevou-o a conde.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Anúncios