TOMÉ PIRES E A “SUMA ORIENTAL”

O contacto com a diversidade das civilizações e culturas asiáticas é certamente um dos aspectos mais importantes e mais interessantes da época dos Descobrimentos. Para além das grandes figuras miltares do Estado da Índia, há que assinalar igualmente os que melhor contribuiram para o conhecimento do mundo asiático, e que deixaram testemunho da sua obra. De entre estes há uma figura que se destaca, a de Tomé Pires. A sua obra, chamada “Suma Oriental”, é um testemunho ímpar de rigor, seriedade e veracidade. Trata-se de uma descrição de todo o Oriente escrita por alguém dotado de uma grande curiosidade e honestidade intelectual, sendo hoje considerada essencial quer para o estudo da presença portuguesa naquelas paragens, quer para a própria história das civilizações asiáticas.

Comecemos por traçar a biografia desta personagem. Tomé Pires nasceu em Lisboa, onde viveu a maior parte da sua vida. O seu pai era boticário do rei D. João II, e Tomé, naturalmente, aprende desde cedo as artes e os conhecimentos da profissão. Tal foi o seu desempenho que conseguiu, com pouco mais de 20 anos, tornar-se o boticário do príncipe D. Afonso. Várias vicissitudes da sua vida levaram-no a partir, em 1511, para a Índia, onde os portugueses consolidavam posições e ampliavam consideravelmente os seus domínios. Durante alguns anos visita várias cidades, nomeadamente Malaca, recém-conquistada por Afonso de Albuquerque e que abriu aos portugueses as portas do Extremo Oriente. Porém, Tomé Pires nunca sairia do anonimato se não tivesse sido a sua nomeação para chefiar a embaixada que o rei D. Manuel havia ordenado que se enviasse ao grande império da China, para estabelecer relações de amizade e acordos de comércio. A sua educação e diplomacia, a sua seriedade e rigor, para além dos excelentes conhecimentos botânicos, tornavam-no no homem ideal para conduzir a bom termo esta empresa arriscada. Pires parte, assim, para a China, chegando á costa chinesa em Agosto de 1517. É bem recebido por uma armada chinesa, seguindo para Cantão, e posteriormente para Pequim, onde seria recebido pelo Imperador.

A embaixada de Tomé Pires acabaria por falhar, devido a uma infeliz série de acasos desfavoráveis aos portugueses. Entre outras causas, os portugueses adquirem uma péssima reputação, tendo começado a circular todo o tipo de queixas e uma série de boatos, como diz o cronista João de Barros:

“(…) diziam que comprávamos moços e moças furtadas, filhos de pessoas honradas, e que os comíamos assados, as quais coisas eles criam ser assim, porque de gente que nunca tiveram notícia, e éramos terror e medo a todo aquele Oriente”.

A embaixada fracassou, e nada mais se soube de Tomé Pires, excepto que a maior parte dos seus companheiros foi executada, ignorando-se se sofreu igualmente tal sorte. Fernão Mendes Pinto, que passou por Cantão mais de vinte anos depois, diz ter encontrado uma mulher cristã que se dizia filha de Tomé Pires, assim como um velho português que lhe terá dito o seguinte:

“Sou (…) um pobre cristão português, por nome Vasco Calvo, (…) que agora faz vinte e sete anos que nesta terra fui cativo com Tomé Pires, que Lopo Soares mandou a este Rei china, que depois acabou desastradamente por um desarranjo de um capitão português”.

Nada mais se sabe, porém, de concreto. A “Suma Oriental” foi escrita em Malaca, enquanto Tomé Pires ali residiu, logo após a conquista da cidade por Afonso de Albuquerque. O mais curioso sobre esta obra é que a mesma só foi descoberta na década de 1940, pelo historiador Armando Cortesão, após uma longa busca, e que a editou. Trata-se de uma descrição de todo o Oriente, desde o Egipto à China. Descreve exaustivamente todos os portos de comércio, de interesse potencial para os portugueses recém-chegados às àguas do Índico, elegendo como objectivo principal as informações de carácter comercial, nemeadamente todos os produtos comerciados em cada reino e em cada porto, assim como as respectivas origens e os mercadores que os traficam. A leitura da obra torna-se, assim, muitas vezes difícil, pela quantidade de informação apresentada.

No entanto, a “Suma Oriental” não se limita a estas informações. O autor demonstra grande interesse pela história local. O caso mais importante é o de Malaca, onde a obra foi escrita. Como Tomé Pires conhecia a língua local, teve assim ocasião de contactar directamente com a cultura da região, obtendo informação sobre as origens desta e de outras cidades da região. Estes dados foram depois incluídos na sua obra, o que lhe confere um valor inestimável para a história local. Por exemplo, a história da fundação de Malaca e da época anterior à chegada dos portugueses teve que ser integralmente reescrita após a descoberta desta obra.

Tomé Pires presta um cuidado especial à descrição dos diversos reinos tratados, desde a organização social e política até ao vestuário, usos e costumes, e até hábitos de alimentação. Eis, por exemplo, o que diz dos chineses, na mais antiga descrição europeia conhecida, dos pauzinhos que usam os chineses na alimentação.:

“Comem todos os chineses porcos, vacas e todas as outras alimárias; bebem gentilmente de toda a sorte de bebidas; gabam muito o nosso vinho e embebedam-se grandemente; é gente fraca (…) esta que se vê em Malaca são de pouca verdade, e furtam; (…) comem com dois paus, e altamia ou porcelana na mão esquerda, junto da boca (…). As mulheres parecem castelhanas (…)”.

Tomé Pires tomou contacto com boa parte das realidades que descreve, tendo obtido informações por contacto directo, ou por relatos de outra gente, fossem portugueses ou asiáticos. A sua abordagem incluía temas do quotidiano das populações, e mesmo aspectos da vida privada, como esta descrição dos hábitos sexuais no Malabar, na costa ocidental indiana:

“Na terra do Malabar, no ajuntamento seu, têm por costume que a fêmea tem os olhos postos na cama e o macho no tecto; e isto geralmente entre grandes e pequenos, (…) e a alguns portugueses costumados na terra não lhes pareceu feio”.

Paulo Jorge de Sousa Pinto – texto de apoio a programas de rádio sob a designação “Era uma vez… Portugal”, emitidos entre 1993 e 1996 pela RDP-Internacional, em associação com a Sociedade Histórica da Independência de Portugal

Anúncios