Estou certo de que todos os que aqui nos reunimos, nesta tarde, temos a consciência do que representou a viagem de Cabral em 1500. É verdade que ela pode ser vista como apenas um dos episódios no conjunto dessa extraordinária epopeia da navegação portuguesa, interpretada pela poética exclamação do génio de Pessoa, quando dizia: «Ó mar salgado, quanto do teu sal são lágrimas de Portugal!»

Entretanto, pelo que veio a representar, tanto para os brasileiros quanto para os portugueses, e mesmo para o mundo, esse feito inaugurou um complexo processo de criação cultural e de civilização, que se consolidou numa relação notável entre os nossos povos.

Há cinco séculos, Portugal e Brasil caminham ligados de maneira indissolúvel.

Por obra e graça da parceria política, cultural e forte pelo afecto que une estas duas importantes nações. Mesmo assim, em momentos de divergência, naturais numa relação madura, complexa e multifacetada, essa ligação resistiu a tudo que foi possível.

“As Comemorações dos 500 Anos do Achamento do Brasil na Assembleia da República”, intervenção do Presidente do Congresso Nacional da República Federativa do Brasil, António Carlos Magalhães, na sessão solene comemorativa dos 500 anos do achamento do Brasil e de boas-vindas ao Presidente do Congresso Nacional da República Federativa do Brasil, 16 de Maio de 2000, edição da Assembleia da República, 2000, pp. 85 a 90

Advertisements