Julho 2008


Comerciante (Lisboa, 1562? – ?, Madrid). Centrou-se no comércio em Cochim, depois de ter rumado à Índia por volta de 1585. Foi feitor do contrato da canela, mas em 1592 foi desterrado sob a acusação de ligar prata. Em 1621, passou a residir em Madrid, tendo elaborados dois livros em espanhol, sobre a ciência náutica portuguesa e o comércio na Índia. Foi feito fidalgo da casa real.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Navegador (século XV). Cavaleiro do infante D. Henrique, descobriu a Serra Leoa (1460, ou antes) e atingiu o arvoredo de Santa Maria (anteriormente a 1469), para além do cabo Mesurado, na actual Libéria.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Escudeiro e navegador (? – 1444) do infante D. Henrique, também é conhecido por Afonso de Sintra e Gonçalo Afonso. Esteve presente em muitas expedições punitivas contra os mouros antes de ter integrado a armada de Nuno Tristão em 1441. Capitaneando uma expedição em 1443-1444 às ilhas Naar e Tider, encontrou a morte durante o combate com os indígenas.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Piloto (século XV). Segundo uma carta do cartógrafo catalão Gabriel Valseca, Diogo de Silves foi o descobridor das ilhas açorianas dos grupos oriental e central, em 1427.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Coronel do Terço do Algarve, foi um dos elementos do conselho que alertou D. Sebastião sobre os perigos a que iria expor o Exército ao atacar Larache por terra, quando inicialmente tal era para ser feito por mar. Casou com D. Inês de Noronha e acabaria por morrer em Fez, depois de se ter feito prisioneiro em Alcácer Quibir.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

O catálogo da exposição “América Portuguesa”, patente até 5 de Setembro na Biblioteca Nacional, em Lisboa, foi agora editado, incluindo algumas espécies da exposição paralela “Tesouros brasileiros”.

O objectivo deste catálogo é expresso na sua introdução: “contextualizar alguns dos temas mais relevantes da História do Brasil no período compreendido entre o povoamento e 1808” relativos à exposição.

“América portuguesa” divide-se em sete núcleos, procurando “dar uma visão diacrónica da presença portuguesa e como se reflectiu em diferentes vertentes, da sociedade à economia”, explicou o director da Biblioteca Nacional, Jorge Couto. A “América Portuguesa” inclui a colónia do Sacramento, actualmente integrada no território do Uruguai, por força do Tratado de Madrid de 1750, “mas que na realidade só a partir de 1777 passa em definitivo para a Coroa espanhola”, precisou Jorge Couto.

(via Público)

Nobre (? – 4 de Setembro de 1578). Recebeu o título de quarto barão de Alvito após a morte de seu pai. Vedor da Fazenda de D. João III, casou com D. Leonor Henriques. Viria a falecer na Batalha de Alcácer Quibir.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Página seguinte »