Setembro 2008


Piloto (século XVI). Do pouco que se conhece sobre a vida deste piloto da segunda metade de quinhentos, sabe-se que em 1565 participou na expedição de Diogo Carreiro, que explorou o rio Níger até Tombuctu. A viagem é relatada pelo próprio Carreiro numa missiva dirigida a D. Sebastião, na qual louva a acção de Fernão Vicente.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

“A nau quinhentista portuguesa descoberta em Abril ao largo de Oranjemud, no Sul da Namíbia, corre o risco de voltar a ficar submersa a partir de 10 de Outubro, último dia para manter a céu aberto o local da escavação garantido pelo consórcio Namdeb, formado pelo Governo namibiano e pelo grupo diamantífero sul-africano De Beers.

[…]

Estamos a trabalhar diariamente para limpar e dar continuidade à extracção de todo o material dentro do prazo e hoje mesmo conseguimos retirar a única parte da estrutura do navio que ainda está conexa”, anunciou Francisco Alves, director da divisão de Arqueologia Náutica e Subaquática do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (Igespar). “Todos os dias estamos a encontrar coisas novas – moedas, âncoras de ferro, pedaços de canhão, espadas, astrolábios e instrumentos de navegação da época -, até já perdemos a conta” ao tesouro já recuperado do navio, afirma (ver caixa). Mas é um trabalho difícil, já que o navio está “ensanduichado” entre a rocha-mãe e uma “camada extremamente dura” resultante de produtos de corrosão e oxidação misturados com pedras e algas, explica o arqueólogo. Por outro lado, há pedaços da nau dispersas numa grande área em redor.”

(via Público, de 29.09.2008)

Mais informações relacionadas, aqui.

Navegador italiano (Florença, 1451 – Sevilha, 1512). Fez os estudos universitários em Florença, onde foi contratado pelos Médicis para administrar o palácio e os bens da família. Em 1492, seguiu para Sevilha, ali continuando a trabalhar para os Médicis. Participou numa expedição castelhana às Antilhas e fez duas viagens ao Novo Mundo, uma ao serviço de Espanha (1499-1500) e outra sob os auspícios de Portugal (1501-1502), sendo o primeiro a afirmar que se tratava de um novo continente. Em 1505 voltou a Espanha, onde foi nomeado piloto-mor, fixando-se definitivamente em Sevilha. Das suas viagens deixou cinco cartas e uma relação, apelidada Lettera (datada de 1504 em Lisboa). O êxito dos seus relatos fez com que, em 1507, o cartógrafo alemão M. Waldeseemuller, na sua Cosmographiae Introductio, desse ao Novo Mundo o nome de “América” [Americi Terram, terra de Américo]. Apesar da fama, é um dos navegadores do século XVI mais debatidos, tanto a nível da autenticidade das suas viagens (nomeadamente no que respeita à duração da primeira), como da veracidade dos relatos que delas foram feitos.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Marinheiro (séculos XV e XVI). Foi um dos que acompanharam Vasco da Gama na viagem de descoberta do caminho marítimo para a Índia (1497-1498). A sua pessoa é citada em várias obras, nomeadamente nos Lusíadas, onde é descrito como um homem de amizades fáceis, gabarola, bom contador de histórias e aventureiro. É também referido por Camões no célebre episódio da Ilha dos Amores, na descoberta e perseguição das ninfas e deusas, durante a qual gritaria: “Senhores, caça estranha é esta! (…)”. O seu nome ficou ligado ao actual rio de Berg e a uma ampla baía situada entre Moçambique e Melinde.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Cartógrafo (Lisboa, ? – Nantes, 1568). Matemático, geómetra e cosmógrafo, foi um dos expoentes da cartografia em Portugal. Foi o primeiro a elaborar mapas do território brasileiro com a divisão administrativa em capitanias (criadas entre 1534-1536) e a apresentar a localização de várias tribos ameríndias das regiões interiores. De salientar o seu Planisfério (1561), onde representou todo o mundo conhecido no século XVI.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Escrivão de bordo (séculos XV e XVI). Pouco se conhece da sua vida, mas sabe-se que integrou a expedição de Vasco da Gama, que, partindo de Lisboa a 8 de Julho de 1497, abriu o caminho marítimo para a Índia. É-lhe atribuída a autoria do diário de bordo daquela viagem, texto que foi deixado anónimo e incompleto. Existem rambém referências a um Álvaro Velho, natural do Barreiro, que permaneceu vários anos na Guiné, no início do século XVI, o que leva a supor que o escrivão tenha iniciado a célebre viagem, desembarcando depois na costa de África. Existe na Biblioteca Municipal do Porto uma cópia manuscrita do diário, oriunda do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Escrivão (século XV). D. João II depositou muita confiança neste escrivão, tendo-o encarregue de várias missões importantes. Uma delas foi um transporte de um carregamento de pólvora a Málaga, a pedido dos Reis Católicos. Também se deslocou à corte destes monarcas na altura da demarcação dos mares entre Portugal e Espanha, depois de Colombo ter descoberto as Antilhas, negociação que serviu de base ao Tratado de Tordesilhas.

(via “História de Portugal – Dicionário de Personalidades” (coordenação de José Hermano Saraiva), edição QuidNovi, 2004)

Página seguinte »